04 fevereiro 2011

Silvia Machete

Dizem que dois dias atrás começou o ano do coelho no calendário chinês, e que isso representa união familiar e fertilidade. Eu penso que se a fertilidade está em alta eu tenho que me cuidar, porque não sou das mais sortudas e o acaso gosta de me pegar quando eu menos espero. Penso também que esse negócio de astrologia me serviu pra trazer um inferno astral dos mais feios todo mês de outubro. Só. Às vezes penso que entre azar e sorte, o primeiro gosta de me encontrar nas quebradas da vida, mas que no final o acaso, que por vezes me trapaceia, vem fazer justiça e assim eu vou levando: tem coisa que dá certo. E se tem uma coisa que dá certo são as pessoas que enconto por aí. Já falei: nesse quesito tenho sorte. Tenho sorte de encontrar por aí gente que vale a pena. E tenho sorte de ter uns amigos que vivem inventando hitória e vez ou outra me colocam no meio. Numa dessas, dei sorte de sem querer cair no Sesc de Bauru, com microfone na mão, toda descabelada, pra falar com a Silvia Machete. Não sabe quem é? Pois bem. O Gabriel - que nem nas mídias sociais está, mas que eu garanto: existe - fez esse trabalho lindo que eu queria tanto compartilhar com vocês. Vocês, seus danados, que têm sorte de iniciar o ano do coelho passando por aqui e dando de cara com a dica que eu deixo.

Parte I


Parte II

2 comentários:

VetAgro disse...

Excelente cobertura! ótima edição! bom trabalho Carol! pelo jeito vc está cercada de gente boa no que faz! bjo

Mônica disse...

Uia! Adorei a doida!!!

E Ximbinha, nao entendo nada de edição, mas achei que ficou linda! Arrasou!

Valeu a dica do dia, Carol!