09 fevereiro 2011

bittersweet

Os livros, o jornal, a cerveja, os amigos, o sono, os meninos, as músicas, a família, a vaidade e a preguiça dividem meu tempo com ainda outra coisa: as lagartas. Minha vida é um eterno fugir delas: não passar embaixo de coqueiro, cortar a goiaba em pedacinhos, fugir das borboletas. Eu tenho medo.
E eu tenho irmãos. Não existe relação mais ambígua, confusa, enlouquecida, do que a de irmão-pra-irmão. Uma vez meu irmão me jogou uma lagarta preta e laranja: coisa mais feia que eu já vi. Eu gritei, corri, chorei e tive pesadelo, nessa ordem. Ninguém pode falar mal dos meus irmãos, mas eu posso. Eu posso falar que a Helô é muito chata pra tudo: roupas, músicas, filmes. Eu posso falar que o Franco sabe ser insuportável. Vocês não podem. Nesse dia meu irmão foi a pessoa mais ridícula que eu já vi. Eu queria ficar 3 anos sem falar com ele: durou 3 horas. Hoje ele me irrita por ser mimado, e a gente briga rotineiramente.
Eu sempre corto a goiaba em pedacinhos, e sempre escolho as vermelhas que é pro bicho não se esconder no branco da goiaba branca. Já achei muitos bichos, mas sempre faço assim: jogo longe a goiaba, depois pego bem no cantinho e mando pro lixo. Acaba, o bicho some.
Hoje eu só cortei a goiaba em dois pedaços, e mordi: eu devia estar muito confiante – ou muito despreocupada. Mordi e logo vi ali pendurado um pedacinho branco de qualquer coisa que mal pude reparar no que era: sai correndo, e a única pessoa por perto era meu irmão. Ele confirmou: tinha mesmo um bicho lá, mas falou que eu não mordi não, estava inteiro. Cortou o resto da goiaba em 30 pedacinhos pra me mostrar que olha, não tinha bicho nenhum mais, eu podia comer tranquila. O meu irmão é mimado, ele não sabe se virar sozinho. Eu divido meu tempo ainda com outra coisa: implicar com ele. Ele não sabe se virar sozinho, mas sabe cuidar da irmã mais velha que ele tem.

8 comentários:

Tati disse...

Franco, corta a minha goiaba em pedacinhos?

GrandeR@O disse...

cara, eu sou assim mesmo com a minha irmã, caraca, adorei o texto, meeeesmo.
abraços psicodelicos

Mariana Pizente disse...

eu adoro o seu blog, mas desta vim aqui por ... 'olha, minha irmã escreveu de mim' rs

Angela disse...

Adoreeiiiii!!!!

Mônica disse...

Ah... o Franco cresceu!

Lindo o texto, Carol!

Pablo Cuñado disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pablo Cuñado disse...

Interessante como seu texto mostra a profunda ligação que você e seu irmão têm. Discorre tão bem e macio na narrativa. Que é possivel praticamente te enxergar na situação com toda ação. Mesmo que meu comentário seja obvio seu texto é maravilhoso, fato.

Roger disse...

Um grande desafio, como homens (para os desletrados inclue-se as mulheres no contexto), está justamente em enxergar o "bicho da goiaba", vemos bichos em tudo e em todos e ainda nos supreendemos com isso.
Acredito que já passou da hora de aprendermos que o bicho tem gosto de goiaba e o enfrentarmos como qualquer desafio da vida.
Assim são os relacionamentos, muitos são bichos piores que o de uma fruta e ainda assim temos que aprender a saboreá-los, não apenas engolí-los, afinal, quem engole tem maiores dificuldades na digestão.
Show de bola o texto Carol.