24 março 2008

flor de menina

O meu mundo cabe num pedacinho de papel, numa florzinha na janela. O meu mundo cabe no que, por minha vontade, é meu.

Ela lá sentada no degrau da porta, pernas no sol, encostada no batente, essas coisas de criança, vestido sujo e tudo mais.
Mas de cabeça baixa, cabelo despenteado, e segurava uma mecha desgrenhada entre os dedos, enrolando e puxando.
Do lado de fora, o gato dormia, barriga pra cima, desse jeito que dá preguiça só de olhar.
Cena de todo-dia, se ela não continuasse olhando para baixo sem dizer um “oi, me dá um bombom?”.
Silêncio de criança a gente sempre respeita, são naturalmente temperamentais, não precisam fazer cena. Silencie também. Depois, falei de coisas banais, como “dia bonito. Tem bolo, quer?”. Ela só “uhun, ahn, tá” e balançava a cabeça. A mecha de cabelo entre os dedos ainda.
O silêncio começou a me preocupar. Tirei os sapatos e fui colocar as pernas no sol também, ali do lado dela, no pedacinho de degrau que me sobrava.
Ela me mostrou que tinha lágrimas nos olhos, mas não eram tão dolorosas. Umas lágrimas fulgázes, talvez. No chão, entra as pernas, o vasinho de margaridas sem margarida nenhuma, só pedaços. Ela entendeu que eu me preocupava, pegou o vasinho com as duas mãos e me estendeu e nessa hora vi algo em seu rosto que apagava a expressão de vítima: “o gato comeu”. E olhou para ele, com ódio que não mete medo, cara de criança, parecendo brincadeira.
Depois olhou para o vasinho com pedacinhos verdes e a expressão de piedade voltou. Deixou cair mais duas lágrimas e eu fiquei em dúvida se o molhado da terra era água da torneira ou choro dela.
Senti que agora falaria, e falou. Contou que cuidava todo dia da plantinha e que, depois do colégio, colocava ela no sol. Falava esfregando os olhos. E hoje, não entendia porque, o gato veio e acabou com suas margaridas. Ela ganhou as margaridas do avô, quando ainda nem havia flores, só um matinho. Ela cuidou e viu as flores crescendo. Colocou nomes. Mostrou para as amigas. E o gato acabou com tudo.
Senti que ela havia decidido que passaria o resto do dia por ali, ao sol, olhando para o vasinho quase vazio. Quando o sol se for, ela entra.
Coisa tão importante merece respeito e silêncio. Levantei e, ainda olhando de longe, pensei que ela tinha acabado de descobrir o mundo.

4 comentários:

Barbosa Junior disse...

eu li seu post e lembrei de algo que escrevi faz um tempinho...
... vai entender!?

DEPRIMIDO

Tudo não está chato aqui no meu canto só
Se tenho minha pausa em-canto simples
Vezes inacabado
solitário dessas formas
Faladas que custam meus porquês
E sinto uma assim maneira não minha
Dizendo sempre em mim
Estranha-mente(ira)
Se leio, se vejo, se sinto, se desejo tudo
Ao que está fora em um querer só meu
Egoisando palavras
Que me fazem o existir
medido em aberturas incalculadas
Olhadas de relance num déjà vu susto
Na língua disléxica que vejo crescer.

Gabriela Souza Gomes disse...

Coisa tão importante merece respeito e silêncio.

Fica o meu.

Anônimo disse...

It isn't hard at all to start making money online in the hush-hush world of [URL=http://www.www.blackhatmoneymaker.com]blackhat training[/URL], You are far from alone if you have no clue about blackhat marketing. Blackhat marketing uses not-so-popular or not-so-known avenues to build an income online.

Anônimo disse...

top [url=http://www.001casino.com/]online casino[/url] hinder the latest [url=http://www.realcazinoz.com/]online casino[/url] autonomous no deposit reward at the chief [url=http://www.baywatchcasino.com/]online casinos
[/url].