21 janeiro 2010

Eu assisto BBB

Liguei a TV e dei de cara com o Pedro Bial, uns caras sarados e um monte de gostosas. Pois é: começou mais um Big Brother Brasil. E começou também aquela enxurrada de opiniões sobre o programa. Pelos comentários do twitter mais as coisas que ouço por aí, percebo que as pessoas se dividem, basicamente, em três grupos: há os que gostam, se envolvem, torcem e xingam – tal qual futebol; há os que não se importam, não gostam ou simplesmente tem mais coisas pra fazer no horário; e há os filósofos de buteco que usam o BBB para falar do emburrecimento da sociedade, de machismo, da vulgarização do corpo feminino, da crise econômica e o que mais der assunto. É esse último o tipinho medíocre que me irrita.

Eu já falei aqui sobre a TV como entretenimento e reforço que essa é sua principal função. Uma coisa que as pessoas precisam entender é que ninguém liga a televisão para pensar. Principalmente a TV aberta, repare só. Até os noticiários, que são o auge da intelectualidade na grade da programação da globo, por exemplo, são rápidos e trazem pouco aprofundamento nos temas noticiados. Quando todos aceitarem isso, o mundo será um tantinho melhor, porque as pessoas buscarão cultura nos livros ou tentarão mudar o modo de produção da programação, se tornarão mais exigentes e influenciarão no nível intelectual dos programas televisivos.

TV é isso: distração. O ópio do povo. E se você quer que seja diferente, primeiro deve buscar conhecimento fora dela para, então, questioná-la.

Me diz: qual é o conteúdo intelectual que um jogo de futebol transmite aos seus espectadores? Tudo bem, tudo bem, eu sei que é paixão nacional, esporte, competição e blablablá. Não vou dizer que pra mim futebol virou mercado há muito tempo porque daí eu seria tão chata quanto os que argumentam que BBB é alienação. Mas reparem só: esporte, para quem assiste, é emoção. É isso que a gente quer quando liga a telinha. Seja na novela, no futebol ou no Big Brother. É pra ver e se emocionar, sem questionamentos. Sem pensar em crise mundial, fome na Àfrica ou futuro do planeta.

E eu não estou contribuindo em nada com o nosso país defendendo essa ideia, mas é que eu acredito que cultura e educação vêm de casa e da escola. Os pais devem mostrar a importância de ler, conhecer outras línguas, outros lugares e a escola deve dar base e oportunidades para isso.

Televisão não tem obrigação de educar, e tem mais é que passar bobagem mesmo porque quem tem uma boa cabeça vai saber discernir o que é bom, o que é ruim, o que é feito para rir e distrair e o que é feito para ser levado a sério.

Ok. Meu pensamento é elitista, pois considera que todos, em algum momento, tiveram oportunidade de receber uma educação que, futuramente, os tornaria capazes de refletir sobre o bom e o ruim na TV. Eu sei que na vida real não é assim que funciona. Mas sei também que é assim que deveria funcionar: educação de qualidade para todos. E enquanto eu puder contribuir de alguma forma para isso, o farei: doando livros e fazendo trabalhos de incentivo à leitura para aqueles que não puderam frequentar uma escola com bons professores e vasta biblioteca.

Penso que, por mais que sejam pequenas ações, valem mais do que sentar no sofá com o controle remoto na mão e falar mal do BBB.

Para terminar, faço minhas as palavras do Rubem Braga: “Quando você cita um inconveniente da televisão, uma boa observação que se pode fazer é que não existe nenhum aparelho de TV, a cores ou em preto e branco, sem um botão para desligar”.


O texto completo do Rubem Braga você lê clicando aqui.

10 comentários:

Luciano disse...

Vamos publicar esse texto no jornal e não te pagar nada por ele, mua ha ha (risada de vilão de novela mexicana)...

Theo disse...

sobre isso, sempre concordei com vc! wohooo eu digooo BBB eh tb uma forma de aprender!! poxaaa eh 1984 ao vivo eh lindooo, e se falarem q os brothers sao falsos, hipocrisiaaa


nao tenho assistido bbb, mas gosto de saber as coisas q acontecem, eh engraçadiz
abraços (L)

VetAgro disse...

Bom, um dia iria acontecer né... mas não concordo com quase nada do que escreveu! Aliás muito me surpreendeu vc se dedicar a defender um programa assim...
Não ideologico nem nada...eu até gostei dos primeiros mas não dá mais, 10?? Pq será que no Brasil essas porcarias duram mais??? em outros Países ele não passou da 4º ou 5º edição, sim querida, é mesmo o ópio do povo...e daí mesmo que vem minha indignação, continue fornecendo droga a um viciado e ele nunca deixará de se-lo. Não consigo mais aproveitar o bbb nem para entreter, só pessoas escolhidas por sua aparencia,a maioria sem merito, pisando nas cabeças umas das outras por 1 milhão de reais. sendo que a Globo arrecada mais de 15 milha por paredão, só traiçao, mentira, trama, e a cada um a apelação vai ficando maior, nesta ediçao temos tivemos bjo gay na 1 festa, não consigo mais, posso dizer que estou "limpo" de BBB a alguns anos...
mas bjão Carol, adoro seu blog, ele sim é um dos meus òpios!!kkk
Adoro. Bjo

Leon Yarosthenko disse...

Po Carol.
Concordo e não concordo com voce. Que a tv é burra, o povo é burro, todo mundo sabe. Agora não há filosofia, ideologia, não há nada naquele programa (bbb), não acrescenta nada.
Quanto ao futebol voce se esqueceu de um detalhe. Quem não defende as cores de um time (que claro, tem que ganhar grana)obviamente não acompanha ou acha um saco acompanhar.
É meio big brother, eu não posso ver nem a vinheta daquilo, mas pra minha mãe futebol na tv é o fim do mundo.
Tendeu.
Forte abraço.
Gostei da sua argumentação.

marli disse...

Minha linda, achei uma pena vc disperdiçar esse talento maravilhoso pra escrever sobre o bbb..sabe o programa não te merece,não merece teu texto.Concordo plenamente com os colegas acima..bbb não dá mais,mudam os corpos sarados mas a filosofia do programa é a mesma..tudo por dinheiro,enfatizando cada vez mais na cabeça das pessoas que um ser humano que não é bonito e rico não vale mesmo nada..isso é que me faz destestar esse programa..desvalorização do ser humano.Não querida eles não tem discernimento,seu pensamento é elitista sim..e tá fora da realidade mesmo,a maioria infelizmente não tem acesso a educação de qualidade nem a literatura,e o botão pra desligar precisa de um ser pensante pra acioná-lo..como dizia nosso chico xavier,não adianta só se escrever livros é preciso formar leitores,e como as pessoas terão vontade de ler enquanto a tv apresentar o prato da ignorancia? é uma questão de hábito mesmo..gastronomia..enquanto isso não acontece vamos ver pessoas perdendo suas vidas por um tênis,um carro..etc..mas eu te adooooro viu?

marli disse...

Aguardando avidamente seu próximo texto..segundo rubem alves ou mario quintana,um desses dois... o escritor bom não é aquele que agente lê mas aquele que quando lemos,lemos a nós mesmos..seus textos me levam a auto leitura.

Michele Matos disse...

Escrever sobre o BBB não é desperdício de talento não, você fugiu dos clichês para falar disso. Texto ótimo!

Fernando J. Pimenta disse...

Como já diria Groucho Marx, "Quando alguém liga o aparelho de televisão, eu vou até o outro recinto e leio um livro."E essa frase eu sigo à risca.

Discordo de que pessoas que critiquem BBB sejam chatas. Elas são realistas. Isto é, desde que elas critiquem como eu, lendo um livro (ou seja, dando em contrapartida um ótimo exemplo).

No mais, apreciei teu texto.

P.S.: vc cometeu um erro ortográfico que eu também sempre cometia, i.é., escrever 'espectador' como 'expectador'. Uma boa forma de se lembrar da forma correta é relacionando 'espectador' a 'espetáculo'.

Um abraço!

Anônimo disse...

risos

Alice Pinha Wakai disse...

Muito bom o texto. Coloco mais uma questão na roda: o BBB é mais ficção ou mais realidade?