02 fevereiro 2009

O belo caminho das Índias

Desde que a novela Caminho das Índias estreou, eu tenho me deparado com milhares de blogs e grupos de discussão criticando o conteúdo da trama. E as principais reclamações não são a respeito da atuação duvidosa do Márcio Garcia ou da eterna “cara de nada” da Vera Fischer. O que tem causado náuseas nos mais realistas é o enfoque dado pela produção, que insiste em só mostrar as belezas da Índia, deixando de lado sua pobreza e miséria.
É notável que a Glória Perez e o Marcos Schechtman não querem assustar os expectadores mostrando o Rio Ganges como realmente é: cheio de corpos boiando e pessoas bebendo suas águas.
Mas não vejo motivo para críticas. Até os mais ingênuos sabem que as novelas da Rede Globo não têm o menor comprometimento com a realidade. E não só as da Rede do seu finado Marinho – lembrem-se dos Mutantes da Record.
Não entendo o porquê de tantas críticas, se essa não é a primeira vez em que a Globo e sua equipe de produção resolvem deixar tudo mais feliz. Ou as pessoas realmente acreditam que todo mundo é bonito, mora no Leblon e viaja para o exterior a cada dois meses?
Muitos teimam em criticar o conteúdo das novelas, esquecendo-se que uma das funções da TV é entreter. Qual é a pessoa que, depois de um dia estressante de trabalho, compromissos e filhos, quer ligar a TV e assistir ao Café Filosófico? Não é a toa que ele é veiculado aos domingos. E na cultura.
As pessoas querem algo que possa ser visto passivamente, sem grande estimulação mental. Querem ligar a TV, deitar o sofá e ver um rosto bonito. Querem acompanhar o desenrolar de uma historinha de fácil compreensão. Ninguém – a não ser os críticos – querem, em uma terça-feira, às 10 da noite, sentir todas as náuseas que o verdadeiro Ganges pode causar com seus corpos, seu lixo e seus urubus.
Há o argumento de que, como a maior e mais popular emissora de televisão, a rede Globo deveria se comprometer em transmitir informações construtivas. Mas será que o povo quer isso?
Para os desejosos de realidade e conteúdo, há documentários, livros, revistas. Para todos, o ópio noturno em forma de Juliana Paes.

10 comentários:

Michele Matos disse...

Eu também não acho que se deva mostrar esse lado da Índia, mas odeio que culturas tão lindas virem modinhas banais, agora músicas indianas tocam no rádio e trajes indianos maravilhosos estão sendo vendidos em lojas de departamento. Só isso que me irrita.

A sua disléxica mente cria textos ótimos!!
bjuuus

Mauricio Toczek disse...

Não mostrar o verdadeiro rio ghanges eu até entendo, o problema é colocar aqueles rostos brasileiros (europeus) interpretando legítimos indianos. Se bem que malhação já está há tempos mostrando senhores de trinta e poucos anos interpretando menininho de quatorze e ninguém nota a diferença. É, passa.

Theo disse...

podemos criticar a rede globo por nao mostrar a verdade pois nao sabemos ao certo o q qremos e qdo qremos

ou talvez nao estamos cansados de sempre reclamar, afinal somos engajadinhos, temos q lutar e correr atras da verdade e o lado cult das coisas

Jefferson Cristian Machado; disse...

Espetacular! Concordo plenamente.
As pessoas querem algo que as faça passar o tempo sem raciocinar, sem ter que gastar um minuto que seja fazendo algo que não seja puramente automático, como receber informações (mesmo que duvidosas) do tele-jornal e as mentiras, futilidades e falsos amores da novela.

Muito boa a crítica.

grazi shimizu disse...

queria dizer que não tenho o que acrescentar. =)

Jessica Lara disse...

Essa manipulação da realidade não acontece só nas novelas brasileiras, ou vai me dizer que os filmes americanos mostram os EUA como realmente são, lá eles são sempre o país bonzinho e rico, e pior, quando retratam uma outra nação que não seja a sua, esculacham geral, para parecerem ainda melhor na fita... fala sério, as nolevas brasileiras são fichinha pertos das indústrias de filmes americanas.

Maico Fabiano disse...

Acho bastante coerente suas idéias. Possui uma bela criticidade com relação às futilidades que nos cercam.

Tatiana Lazzarotto disse...

Concordo. Ah, nem só de pão vive o homem, mas de circo também. Chega de tratados filosóficos criticando o papel da TV. Ah, eu tb cansei.
Adorei o texto.

VetAgro disse...

Não é apenas questão de querer assistir a uma porcaria à noite... Há até menos de um ano, no horario da novela, eu tinha apenas as opções do sermão do missionario, o leilão de gado de corte comercial de Barra do garça e a reprise do pantanal... realmente há poucas opções na tv aberta...
mas oq mais me irrita nestas novelas em geral é o numero de persinagens que não fazem absolutamente nada da vida, tomam um café de hotel na varanda até as dez da manhã e no maximo dão uma passadinha no escritorio... isso causa revolta no povo eu acho pois dá a entender que todas as pessoas que podem comprar um carro melhor ou tem um apartamentozinho financiado vivem naquela mesma futilidade....
Parabens pelo texto.

Anônimo disse...

concordo plenamente