14 outubro 2007

Dando um tempo das coisas belas ou surreais da vida, vamos falar do mundinho real. Porque um dia desses ví um amigo meu, desses machistazinhos enrustidos, que exibem a namorada gostosa pra todo mundo, como troféu. E acontece que a namorada gostosa de um ano atrás de gostosa não tem mais nada. Saquei tudo: ela era gostosa só pra conseguir pegar ele. Pensam que isso não existe?


As Amélias, tristes Amélias.


A Amélia não tinha a menor vaidade, era a mulher de verdade. Pois é.
E você pensa que agora isso não existe mais só porque a mulherada passa menos tempo na frente do fogão? Engano seu.
Hoje existe uma outra categoria de Amélia, ainda mais triste.
É aquela que não cozinha, não lava nem passa porque o marido paga a empregada pra fazer isso pra ela. Ela estuda porque o pai manda, e se cuida até arrumar um homem. Quando encontra, desencana, relaxa total, como se tivesse vivido até ali só com aquela função: achar homem. Quantos amigos, colegas, eu já não vi por aí se gabando por pegar “aquela gostosa”. Começa a namorar, dá um ano e a gotosa ta lá com uma farta barriga. E não é gravidez, não, é descuido. Que fique claro que não sou a favor de a mulher ser escrava da beleza e viver na academia. Eu mesma não malho faz tempo. Mas é triste saber que há meninas que se matam em regimes e musculações com uma única finalidade: atrair machos! É uma falta de amor próprio. Mulher tem que se cuidar porque é saudável, porque faz bem, auto-estima e tal.
E tem aquelas (na verdade são as mesmas) que não saem de casa, não vão a um barzinho ou festa sem o macho do lado. Triste sociedade patriarcal. O pai cria a filha, põe numa redoma e macho nenhum pode chegar perto. A mocinha lá, doida pro macho chegar. E chega. E ela sai debaixo das asas do pai e se enfia embaixo da nova redoma. Até a cerimônia do casamento deixa isso bem claro: o pai leva a filhinha até o altar e passa ela para as mãos do novo dono: “cuida!”. Como se a menina não fosse nada sem um homem ao lado. E geralmente são essas, as que casam na igreja, que um ano depois vão engordar, descuidar total.
Tenho muita amiga que não sabe viver sem homem: uma tristeza, se metem em cada uma. Tudo pra não ficar sozinha, como se mulher sem homem fosse a coisa mais feia do mundo.
As Amélias de antigamente são totalmente compreensíveis. Era difícil pra uma mulher, naquele tempo, se impor sem levar tapas na cara, e o tapa vinha do marido e da sociedade.
Hoje não. E ainda assim elas preferem se limitar à companheira do homem. Triste. E eu que nem feminista sou, acho lamentável ver tanta menininha se anulando assim, achando que tudo que ela pode fazer na vida é arrumar um marido e dizer amém.


Amélias que não conhecem felicidade
Não sabem da liberdade
Não, não são mulheres de verdade.

5 comentários:

Theo disse...

eh assim q tem q ser muieh
xD
AHUahuHAUhuaHUA
vai la fazer um bolo de cenoura pra mim vai!!
to mandando! rum HAUhauHUAHuahuHUAhua
PRETA PRETA PRETINHA

pseudo poeta disse...

oorraaa!

vai escrever bem assim lá na p*** que o pariu!

:D

Daniel Faria disse...

http://flop-art.blogspot.com/2007/03/do-right-man-do-right-woman.html

Texto meu do começo do ano sobre as "mulheres de atenas". Curti!

Deborah disse...

Carol, a cada dia eu me surpreendo mais com vc!!^^
Já disse e repito mais uma vez: vai escrever bem assim lá na pqp!!!^^
é...
concordo com vc... é só encontrar macho e... tsctsctsc...
ser objeto sexual em pleno seculo XXI...¬¬
e viva a liberdade sexual!!!

FRANCIELLE disse...

que maneira triste de ver algo tão bonito como a cerimonia de casamento que retrata nao só a uniao entre dois seres através da benção de deus mas também a renuncia dos pais que sempre sofrem ao se distanciar de uma filha ou filho querido. Todos precisamos um do outro, a mulher precisa do homem, o homem precisa da mulher, é a natureza humana. Precisamos aprender a admitir que semtimos falta, que gostamos deter um companheiro ao lado, que precisamos sim uns dos outros. Já é tao dificil viver vendo o lado bonito das coisas, quanto mais tendo uma visao negativa como a sua.